Monja Coen Roshi

SHOBOGENZO

MESTRE EIHEI DOGEN

Versões de

  • NORMAN WADDELL & MASSAO ABE
  • KOSEN NISHIYAMA
  • GUDO NISHIJIMA ROSHI,

Cap.22 – BUSSHO - Natureza-Buda

 XAQUIAMUNI BUDA DISSE:

               Todos os seres vivos existem totalmente como a Natureza-Buda
­­­­               O Tathagatha a habita constantemente, sem nenhuma modificação

 Este é o girar da roda do Darma, como o rugido de um leão, de nosso grande Mestre Xaquiamuni. Ao mesmo tempo é as pupilas de todos os budas e todos os Ancestrais. Tem sido aprendido e praticado por 2600 anos, através de quase cinquenta gerações de corretos sucessores (até o último Mestre Tendo Nyojo).

Vinte e oito Ancestrais na Índia vivenciaram isto e mantiveram de uma geração a outra. Vinte e três Ancestrais na China vivenciaram e mantiveram de uma geração à seguinte. Todos os Ancestrais Budistas nas dez direções têm vivenciado e mantido isto.

Qual é o sentido das palavras do Mais Honrado do Mundo, que “todos os seres vivos existem totalmente como a Natureza-Buda?” É a expressão “é alguma coisa que vem assim, inefável”(Mestre Daikan Eno para Mestre Nangaku Ejo) girando a roda do Darma. O que é chamado “todos os seres vivos”, ou “seres senscientes”, ou “todas as formas de vida”ou “todas as criaturas” são todos os seres e todas as formas de existência.

Em resumo, a existência total é chamada  “seres vivos”. Exatamente neste momento, o interior e o exterior de todos os seres são a Total Existência da Natureza Buda. Este estado de existência total é mais que apenas pele, carne, ossos e medula diretamente transmitidos face-a-face, uma vez que vocês obtiveram a minha pele, carne, ossos e medula (trecho da Transmissão de Bodidarma a quatro de seus discípulos).

Vocês devem compreender que os “seres vivos” que a Natureza Buda realiza como total-existência não é relacionado com ser ou não ser. Total-existência são as palavras Buda, a língua Buda, as pupilas dos olhos dos Ancestrais Buda, as narinas de um monge Zen. O termo total-existência não significa o ser emergente, nem o ser original, nem o ser misterioso, nem nada deste tipo, muito menos o ser condicionado ou o ser ilusório. Não tem nada a ver com coisas como mente e objeto, substância e forma.

Porque é assim, o eu e o ambiente que circunda os seres-total-existência não está nem um pouco envolvido nas influências de karma, não é criado por causações aleatórias, não vem a ser de forma natural e não é praticado nem realizado por poderes miraculosos. Se a total-existência ocorresse sob os poderes de karma, ou em causas de vir a ser naturalmente, a realização de todos os santos e a iluminação de todos os Budas também seriam produzidas desta maneira – e elas não são.

O mundo inteiro é completamente livre de poeira; exatamente aqui e agora não há uma segunda pessoa. Por isto não atentamos ao fato de que a raiz de nossa ilusão está cortada, e nossa ocupada e variante consciência kármica (inseparável da Natureza-Buda) nunca cessa.

A total existência está muito além da existência que surge de forma aleatória. “O Universo inteiro jamais se escondeu” não significa necessariamente que o mundo substancial é a Existência em si mesma. “O universo inteiro me pertence” é a visão equivocada dos não Budistas.

A total existência está além da originalmente-existente existência.

Permeia todo o passado eterno e permeia todo o presente eterno. Está além de recém formadas existências – por isto não envolve sequer uma partícula de poeira. Está além de separação, de existência individual. Está além de “existência sem começo” por isto “é alguma coisa que vem assim, inefável”.

Está além de “existência surgida”, pois “a mente comum é o Caminho”.

Vocês devem saber, com total clareza, que na total existência é impossível, mesmo com a maior precisão, encontrar seres vivos. Quando compreendemos desta forma, a total existência é em si mesma completa e totalmente livre e emancipada tal qual é. Compreendê-la é o estado de penetrar o substancial e se libertar.

Quando os alunos Budistas ouvem a expressão “Natureza-Buda”, pensam que é algo como um “eu eterno”, como o exposto pelo não praticante Senika. Isto ocorre pois eles não encontraram uma pessoa do Caminho, não conheceram seu próprio eu verdadeiro e tampouco estudaram com um verdadeiro mestre. Confundem os movimentos selvagens de suas mentes com a sabedoria da Natureza-Buda. Mas quem pode dizer que na Natureza-Buda há sabedoria iluminada? Embora seres despertos possam ser Budas, a Natureza-Buda em si mesma não é nem iluminação nem despertar.

A iluminação e o despertar dos Budas não é a iluminação infundada sobre a qual a maioria das pessoas comenta. E, certamente, não é a experiência iluminada de uma mente confusa. Apenas a face de um Buda e de um Ancestral é iluminação.

Desde a dinastia Han, passando pela Tang à Sung, muitos sábios do passado viajaram à Índia – e  muitos proclamaram ser professores de deuses e homens. Ensinam que os movimentos descontrolados como fogo e vento de suas mentes são a iluminação da Natureza-Buda. Isto é uma grande lástima, decorrente de faltas no estudo do Caminho Budista.

Praticantes avançados e iniciantes não devem cometer este erro. Mesmo que estudemos iluminação, não se trata dos movimentos selvagens da mente. Se você puder entender o real movimento, entenderá a real iluminação e o real despertar. Se pudermos compreender “Buda”, compreenderemos “Natureza”, uma vez que ambos se interpenetram.

Natureza-Buda é sempre total existência, porque total-existência é a Natureza Buda. Total-existência não significa miríades coisas, nem existências individuais. É expresso por um punho levantado no ar; não é grande nem pequena. A total-existência está além do nível de todos os sábios e além da total-existência em si mesma.

Alguns dizem que a Natureza Buda é como a semente de uma planta; quando recebe a chuva de nutrientes do Darma, naturalmente desabrocha em folhas, flores, aparecem frutos que têm suas próprias sementes. Esta é a visão das pessoas comuns, não iluminadas. Os que sustentam tal ponto de vista devem saber que as próprias sementes, flores e fruto, cada um deles e ao mesmo tempo têm a pura mente da total-existência. Nos frutos há sementes, que mesmo que não sejam vistas fazem com que as raízes e caules cresçam. Os galhos se multiplicam e uma frondosa árvore surge.  Isto não é resultado de alguma coisa dentro ou fora da árvore – acontece em qualquer tempo do passado, presente ou futuro. Mesmo que aceitemos o ponto de vista das pessoas não iluminadas, as raízes, caules, flores e frutos vivem a mesma vida que a Natureza-Buda e morrem a mesma morte que a mesma total-existência.

Buda disse:

“se desejarem conhecer o significado da Natureza Buda , vocês devem observar as causas e condições do tempo. Quando chegado o momento, a Natureza-Buda se manifesta por si mesma”

 Conhecer o significado da Natureza-Buda” não quer dizer apenas “saber”, mas se refere também a praticá-la, realizá-la, clarificá-la e – por último – esquecê-la.

Esta explicação, prática, realização, esquecimento, engano e não-engano são as condições do tempo.

A maneira de observar  as causas e condições do tempo é através das causas e condições do tempo em si mesmas. Observar as causas e condições de um hossu ou de um cajado. Jamais podem ser contemplados através de conhecimento ilusório, conhecimento não ilusório ou conhecimento obtido através do despertar original, despertar inicial, não despertar ou correto despertar.

Devem observar”  não está relacionado com o sujeito que observa ou com o objeto de observação. Não corresponde à “verdadeira” observação ou “falsa” observação. É apenas a observância, aqui e agora. É a pura observação – não a de alguém nem a de outros.  É transcendente às causas e condições. É a Natureza-Buda em si mesma, emancipada tal qual é. É Buda-Buda, Natureza-Natureza.

Frequentemente, pessoas do passado e do presente têm entendido “Quando chegado o momento” como “esperar por um tempo futuro quando a Natureza-Buda se manifestará”. Eles dizem: “Se praticarmos desta forma, a Natureza-Buda certamente se manifestará quando o momento chegar. Mesmo que estudemos com um Mestre e inquirirmos sobre o Darma, se não for o momento adequado, a Natureza-Buda não aparece”. As pessoas com tais pontos de vista retornam à poeira mundana e esperam que coisas boas caiam do céu. São como os não-Budistas que crêem que as coisas ocorrem espontaneamente.

Conhecer o significado da Natureza-Buda” significa “diretamente conhecer o princípio da Natureza Buda”. “Observar causas e condições do tempo” quer dizer “observar as causas e condições como um tempo real, exatamente aqui e agora”. Mesmo que duvidemos, ainda assim a Natureza-Buda está presente em nós.

Vocês devem saber que “quando chegado o momento” está manifesto em todas as horas do dia. É como dizer “o momento já chegou”. E porque o momento chegou, a Natureza-Buda não precisa se manifestar. Portanto, o momento já haver chegado é em si mesmo a manifestação imediata da Natureza-Buda, cuja verdade é auto-evidente. Nunca houve um tempo em que não tenha chegado. Não pode haver Natureza-Buda que não seja Natureza-Buda manifesta exatamente aqui e agora, diante de nós.

Quando o décimo segundo Ancestral Anabotei explicava o oceano da Natureza-Buda para o décimo terceiro Ancestral, ele disse: “As montanhas, os rios e a grande terra são totalmente dependentes da Natureza-Buda. Samadhi e os seis poderes espirituais são revelados através dela”

 Desta maneira, montanhas, rios e a grande terra são todos o oceano Natureza-Buda. Assim como “Totalmente dependentes da Natureza-Buda” significa o momento preciso de sua formação como montanhas, rios e grande terra. Vocês devem saber que o modelo concreto do oceano Natureza-Buda é este. Nunca deve ser relacionado com interior, exterior ou meio. Se assim for, ver montanhas e rios é ver a Natureza-Buda. Ver a Natureza-Buda é ver o queixo de um burro ou a boca de um cavalo. “Totalmente dependentes” significa “totalmente depende” e “dependência da totalidade”, além de compreensão e de não compreensão.

Samadhi e os seis poderes espirituais são revelados através dela” . Vocês devem saber que a manifestação e a não manifestação dos vários estados de Samadhi são “totalmente dependentes da Natureza-Buda”.  Os seis poderes espirituais manifestos e não manifestos igualmente dependem da Natureza-Buda. Os seis poderes não são simplesmente os poderes místicos mencionados nos Agama-sutras. “Seis” são “três e três antes; três e três depois” como as seis perfeições Paramitas em poderes espirituais. Assim sendo, não devemos investigar os seis poderes místicos como “o brilho das miríades coisas e o brilho da mente dos Budas e Ancestrais do Darma”. Ainda que os poderes espirituais nos envolvam, eles são governados apenas pelo fluxo universal do oceano Natureza-Buda.

O quinto Ancestral – o Mestre Zen Daiman Konin – foi um homem do monte Obaku. Nascido sem um pai, ele obteve a verdade ainda muito jovem. É dito que foi uma encarnação de Saishodosha. Em sua vida anterior, estava no Monte Sei, em Kisha, plantando pinheiros, quando houve de encontrar o quarto Ancestral, Daii Doshin, que na época excursava pelo país. O quarto Ancestral o disse: “Eu gostaria de transmitir o Darma a você, mas você já está muito velho. Se você retornar a este mundo eu esperarei por você”. Daiman Konin concordou. Mais tarde, renasceu na família Shu. Sua mãe o abandonou em um lamaçal. Seres celestiais protegeram a criança, que não sofreu sequer um dano durante sete dias. A família o resgatou e ele foi criado como uma criança normal até os sete anos de idade. Certa vez, ele andava na estrada do Monte Obai quando acidentalmente encontrou o quarto Ancestral, Daii Doshin. Quando o Ancestral o viu, mesmo que fosse um menino pequeno, o Mestre reconheceu pela fisionomia de sua cabeça que aquela criança era diferente das demais.

O Ancestral o perguntou – “qual o seu nome?”

O garoto respondeu – “eu tenho um nome, mas este não é um nome comum”

“E que nome é este?”, o mestre pergunta

“Este nome é Natureza-Buda – disse o garoto

O quarto Ancestral o disse: “Você não tem Natureza-Buda”

O garoto responde: “Você diz que eu não tenho Natureza-Buda porque a Natureza-Buda é vazia.”

O Ancestral então soube que o garoto era um veículo para o BudaDarma. Fez dele seu atendente e, mais tarde, Daii Doshi o transmitiu o OlhoTesouro do Verdadeiro Darma. Depois disso, o quinto Ancestral viveu na montanha do Leste de Obai e seu profundo Darma se espalhou pela terra.

Qual o seu nome?” Estas palavras do quarto Ancestral são um profundo ensinamento – as considere cuidadosamente. No passado os mestres Zen frequentemente perguntavam a seus alunos em treinamento “qual o seu nome?”ou “de onde você veio?”. Os discípulos responderiam “venho de tal lugar”ou “meu nome é este”. Em essência, o mestre está dizendo ëu sou aquilo, e você é aquilo também”.

O quinto Ancestral respondeu: “eu tenho um nome, mas não é um nome comum”. Isto é, há um nome mas não é um nome comum; um nome comum não é o meu nome real.

O quarto Ancestral disse: “Qual o  seu nome?”. Em outras palavras, este “qual” é o próprio nome, é a Natureza Buda. Tanto “qual” quanto “este” são o nome. Podemos encontrar isto na vida diária, comendo uma refeição ou tomando chá verde.

Quando o quinto Ancestral disse “este nome é Natureza Buda” , ele quis dizer que “este” é a Natureza Buda. “Qual” é aquilo que se torna Buda. Este “qual” não está limitado ao nome da família, mas é o “não isto” que engloba a Natureza Buda. Deste modo se entendermos “este” compreenderemos “qual” – Buda.

Quando estamos desprendidos disto há um nome. Este nome é Shu (o que permeia tudo que existe). Tal nome não é herdado dos pais ou da hereditariedade. Certamente não tem relação com o nome de outra pessoa.

 O quarto Ancestral disse “Você não tem Natureza-Buda” .  Aqui, este “você” não é ninguém em particular; a compreensão varia de pessoa a pessoa, mas ainda assim é não-Natureza-Buda.

A não-Natureza-Buda existe no mais alto estado de Buda ou mesmo no estado além de Buda? Estas são as questões que devemos perguntar. Realize que a    não-Natureza-Buda permeia tudo que existe e tampouco tente defini-la (limitá-la), nem procure por ela. A não-Natureza-Buda pode ser experimentada no momento de samadhi. Quando a Natureza-Buda se torna Buda, ou quando a Natureza-Buda é desperta pela mente que procura Buda, então nesta circunstância é não-Natureza-Buda? Pergunte isto aos pilares do templo. Pergunte até mesmo para sua própria Natureza-Buda.

A expressão “não-Natureza-Buda” se originou com o Quarto Ancestral. Foi compreendida pelo quinto Ancestral que a transmitiu a Joshin Daie. Este fez dela o foco principal de sua prática. Mesmo que entendamos que “qual é” é o critério de “não-Natureza-Buda” , ainda assim precisamos de grandes esforços para clarificar “não-Natureza-Buda”. “Você”, “este” e “Shu” também são usados algumas vezes para clarificar  “este”

O Quinto Ancestral disse: “Você diz que eu não tenho Natureza-Buda porque a Natureza-Buda é vazia”.  Seja cuidadoso aqui; não interprete “vazia” como significando “nada”. Se você buscar compreender a vacuidade da Natureza-Buda, evite expressões razas, prefira falar com a finalidade de negação. Quando dizemos “vazia”, não queremos dizer “vazia”; assim é quando dizemos “não”  não queremos dizer “não” . Dizemos “não” porque a Natureza Buda é o vazio. Através do “não” usado como padrão, entendemos o vazio, e através do vazio entendemos “não”. O vazio aqui se difere da vacuidade em “forma é vazio”.  “Forma é vazio” não significa que a forma é transformada em vazio ou que o vazio é transformado em forma. Esta vacuidade é de que o vazio é vazio. Dentro deste vazio uma rocha sólida é o vazio. Assim o Quarto e o Quinto Ancestral questionaram a existência da Natureza-Buda, o vazio da Natureza-Buda e o “este” e o “não ser” da Natureza-Buda.

Certa vez quando o Sexto Ancestral da China, o mestre Zen Enô, estudava com o Quinto Ancestral Konin, ele foi questionado: “de onde você veio?” . O Sexto Ancestral respondeu “de Renan”. Konin disse, “por que você veio aqui?”.  Enô o respondeu: “para me tornar Buda”.  Konin disse “as pessoas de Renan não têm Natureza-Buda. Como você espera obter este estado?”

 Se as pessoas de Renan têm ou não têm a Natureza-Buda não é a questão aqui – isto é simplesmente “as pessoas de Renan não têm a Natureza-Buda”.

 “Como você espera obter este estado?” significa “que tipo de Buda você espera se tornar?”. Falando em termos gerais, poucos no passado compreenderam o princípio fundamental Natureza-Buda. Certamente os Hinayanistas ou eruditos de Sutras e comentários não sabiam nada sobre isto. Apenas herdeiros dos Budas e Ancestrais receberam e transmitiram isto. A Natureza-Buda é autenticada apenas depois de tornar-se Buda, não antes. A autenticação da Natureza-Buda e a obtenção do estado Buda ocorrem sempre simultaneamente.

Devemos buscar clarificar este princípio – embora fazê-lo não seja uma questão fácil. Os dez santos e três sábios falharam completamente. Por outro lado outros levaram vinte ou até mesmo trinta anos para fazê-lo. Devemos saber disto. É a verdade fundamental que articula “seres vivos são Natureza-Buda” e  “seres vivos são não-Natureza-Buda”. Realize que a autenticação da Natureza-Buda e a obtenção do estado Buda ocorrem simultaneamente. Este é o Darma Budista. Se este princípio não houvesse sido estudado, o Darma não existiria nos dias de hoje. Se falharmos ao clarificar este princípio tampouco compreenderemos a obtenção do Estado Buda nem o realizaremos. Deste modo o Quinto Ancestral disse ao Sexto Ancestral “As pessoas de Renan não têm Natureza-Buda”.

 “Seres vivos são não-Natureza Buda”. Para uma pessoa que acabou de encontrar um Buda e ouve o Darma pela primeira vez, esta é a mais incompreensível afirmação de todas. Se mais tarde, tendo seguido um bom mestre ou através do estudo de Sutras, esta frase é a maior alegria de todas. Se não completamente sentirmos a verdade em “seres vivos são não-Natureza-Buda”, então ainda não teremos experimentado a Natureza-Buda.

Quando o Sexto Ancestral, em sincera procura do estado Buda, se encontrou com o Quinto Ancestral, este o disse: “as pessoas de Renan não têm Natureza-Buda”. Ele não disse nada além disto, não usou nenhum outro meio expediente.

Assim realizamos, o total questionamento e estudo de “não-Natureza-Buda” é em si mesmo o caminho direto ao estado Buda. No momento exato de “não-Natureza-Buda” há o estado Buda. Se não tivermos nem experimentado nem clarificado a não-Natureza-Buda, então ainda não teremos obtido o estado Buda.

O Sexto Ancestral disse: “as pessoas podem diferenciar o norte do sul, mas não a Natureza-Buda”. Pense sobre isto com muito cuidado; tem um grande significado. O que quer dizer “norte” e “sul”? Clarifique estas palavras, nelas também há um profundo ensinamento. Esta afirmação implica que embora uma pessoa possa obter o estado Buda, a Natureza-Buda não o pode. Imagino se o Sexto Ancestral estava atento a isto.

Budas como Kasyapa e Xaquiamuni herdaram a capacidade descrita nas palavras “não-Natureza-Buda” usadas pelo Quinto e Sexto Ancestral de expressar a verdade absoluta em completa liberdade. Portanto quando obtiveram o estado Buda e giraram a roda do Darma, puderam dizer com completa convicção “a total-existência é Natureza-Buda”. Se há existência como poderia não haver transmissão da não-Natureza-Buda?

As palavras “não-Natureza-Buda” foram ouvidas há muito tempo nos aposentos do Quarto e do Quinto Ancestral. “Não-Natureza-Buda” – o que isto realmente significa? Ou “Natureza-Buda”- como interpretamos? Estas são questões fundamentais. Se o Sexto Ancestral estivesse perto da verdade nesta circunstância, teria concentrado todos os seus esforços nestas palavras não-Natureza-Buda. Deveria ter posto de lado a questão do “não” e ter se perguntado, o que é a Natureza-Buda? As pessoas do presente, igualmente, jamais se perguntam o que é a Natureza-Buda. Apenas se questionam se é algo que existe ou não existe. Mesmo que esta dúvida não esteja errada, não é de consideração fundamental. Consequentemente o “não” que é a base de todas as coisas deve ser estudado como o “não” da não-Natureza-Buda.

As pessoas podem diferenciar o norte do sul, mas não a Natureza-Buda”. Considere estas palavras do Sexto Ancestral. Estude-as a partir de diferentes ângulos, mais e mais, e as contemple em silêncio, tais palavras têm um profundo significado a ser apreendido. Pessoas tolas, não entendendo o significado das palavras do Sexto Ancestral, acreditam que a razão pela qual as pessoas diferenciam o norte do sul e Natureza-Buda não seja algo do tipo “as pessoas têm forma por isto têm sul e norte. A Natureza-Buda, sendo vazia e dissoluta, não tem”. Esta ideia é ridícula. Treine diligentemente e você realizará a estupidez da afirmação por si mesmo.

O Sexto Ancestral disse ao seu discípulo Gyoshi: “A impermanência em si mesma é a Natureza-Buda; permanência é a mente discriminatória”

A compreensão do Sexto Ancestral de impermanência é bem diferente daquela dos não Budistas ou dos Hinayana. Mesmo que os veículos menores ensinem a impermanência, eles não completamente realizam esta implicação.

Por isto, o ensinamento, realização e prática da impermanência são por sua própria natureza impermanentes. Kanzeon proclama o Darma manifestandos-se da forma mais adequada para salvar os seres. Esta é a Natureza Buda. Algumas vezes usa uma forma longa para pregar um Darma longo. Outras vezes se manifesta de forma curta para pregar um Darma curto.

A impermanência em si mesma é a Natureza Buda”.  Assim tanto os sábios quanto as pessoas comuns são impermanentes. Se sábios e ignorantes fossem permanentemente sábios e ignorantes não seria a Natureza-Buda. Seria assim apenas sob o olhar de mentes pequenas. Se assim fosse, o corpo de Buda estaria restrito a uma pequena e limitada atividade. Por isto a afirmação do Sexto Ancestral: “A impermanência em si mesma é a Natureza-Buda”. Permanência é “não tornar-se”. Em outras palavras é algo que não é afetado por apego ou desapego, ir e vir e assim por diante. Neste sentido há permanência.

Desta maneira, desde que a grama, árvores e arbustos são impermanentes, eles são a Natureza-Buda. A precisa impermanência do corpo e mente humanos são Natureza-Buda. Suprema iluminação e Parinirvana, porque são impermanentes, são Natureza-Buda. Hinayanas e eruditos de Sutras e Shastras devem ficar surpresos e confusos com isto; em verdade não são melhores que demônios.

O Décimo Quarto Ancestral, Nagyaharajuna, é às vezes chamado Ryusho ou Ryumo. Embora nativo do Oeste da India, ele proclamou o Darma no sul – uma região onde os homens acreditavam que boas ações resultavam em ganho material. Eles escutaram suas palavras e comentaram entre si “fortuna é a coisa mais valiosa a alguém. Ainda assim ele fala sobre a Natureza-Buda, algo que não é visto”. Nagyaharajuna disse “se quiserem ver a Natureza-Buda, vocês devem libertar-se do eu”. Eles perguntaram “A Natureza-Buda é grande ou pequena?” Ele respondeu: “Nenhum, nem é larga ou estreita, dolorosa ou prazerosa, tampouco está relacionada com vida e morte”. A partir destas palavras, eles se converteram.

Certa vez, quando Nagyaharajuna estava sentado em zazen, manifestou a forma da completa liberdade – uma radiante lua cheia. Aqueles que estavam presentes ouviram suas palavras; não puderam ver sua forma. Entre os que estavam lá, havia um homem rico chamado Kanadeva. Ele disse à assembleia: “Vocês vêem sua maravilhosa forma?” Eles responderam “Nossos olhos não vêem nada; nossos ouvidos não escutam nada; nossos corpos não experimentam nada.”

Kanadeva disse “O venerável está manifestando a forma de Buda. É o Samadhi sem forma, como a lua cheia. A Natureza-Buda é absolutamente vazia, iluminada e distinta”. Com estas palavras a palestra do Darma terminou e a lua desapareceu.

Sentado em lótus, Nagyaharajuna recitou este verso:

Manifestando uma lua cheia

Expresso o corpo de todos os Budas

A proclamação do Darma é sem nenhuma forma

Tampouco tem contorno ou som

 Compreenda, a verdadeira proclamação do Darma não tem contorno ou som; é “não forma”. Nagyaharajuna proclamou o Darma muitas vezes e em muitos lugares. Certa vez ele disse “se quiserem ver a Natureza-Buda, vocês devem libertar-se do eu”. Isto é, há uma maneira de “ver”, mas envolve “libertar-se do eu”. Considere o eu: não é singular. O eu existe em grande diversidade. Mesmo assim, todos estão vendo a Natureza-Buda. Considere isto em termos da visão da vida diária.

“A Natureza-Buda não é grande nem pequena”. Isto nega a afirmação dos veículos menores e das pessoas comuns que a Natureza-Buda é vasta. Adote o princípio “A Natureza-Buda não é grande nem pequena” e pense e fale de acordo com isto. Vocês devem analisar, da mesma maneira devem ouvir, a verdade que está completamente amarrada nesta expressão.

Manifestar uma redonda lua cheia é a realização de todos os Budas. Desde que todos os Budas estão realizados, a forma de uma lua cheia aparece. Por isto devemos estudar todas as formas longas, curtas, quadradas e circulares deste corpo manifesto. Se falharmos ao alcançar o significado de “corpo” e “manifesto”, a lua cheia não será compreendida; consequentemente os corpos de todos os Budas não aparecerão. Tolos pensam “ele expressa sua forma como uma lua cheia”. Uma ideia ridícula, prova de que estas pessoas não herdaram o Caminho Budista. Quando e em que lugar poderia ser manifesto um corpo que não em sua própria forma? Nagyaharajuna estava apenas sentado em seu assento – sua forma não era diferente de qualquer outra pessoa que estivesse apenas sentada. Realize que o corpo é uma realização da lua cheia.

Realizar o corpo não é quadrado, redondo, existente ou não-existente, oculto ou revelado, nem é composto de oitenta e quatro mil skandhas  - é apenas o corpo manifestando a si mesmo. Aqui a lua está cheia, mas não saiba que poderia ser um quarto de lua. Desde que o corpo realizado não se relaciona com o eu, não é Nagyaharajua – é o corpo de todos os Budas. Além disso, por causa de sua natureza transcende todos os corpos Buda. Isto é dizer que está além do corpo de Buda em si mesmo.

Natureza-Buda é uma radiante lua cheia. Isto é verdade, mas não é limitado por esta forma; muito menos pode ser posto em palavras, ou realizado como corpo e mente. Não pode ser encontrado no mundo dos fenômenos, ainda assim aparece no mundo dos fenômenos como o corpo de todos os Budas. É característica da proclamação do Darma sem nenhuma forma. Quando nenhuma forma se torna o Samadhi sem forma, o corpo é realizado.

A assembleia olhou para a forma da lua cheia, mas não pôde ver a real forma de Nagyaharajuna. Sua proclamação do Darma havia se transformado no corpo absolutamente livre. Agora visto, agora oculto – esta é a função da redondeza da lua. No momento exato de sentar e manifestar o corpo da completa liberdade, a assembleia inteira está apenas ouvindo o som da Lei e não vê a forma do mestre.

O Herdeiro do Darma de Nagyaharajuna, Kanadeva, claramente viu o formato da lua cheia, sua redondeza, sua autenticação – e conheceu todas as Naturezas-Buda e corpos Buda. Muitos estudaram sob Nagyaharajuna, mas nenhum pôde se comparar a Kanadeva. Ele foi autorizado de se sentar à direita do mestre, se tornou o líder da assembleia e finalmente assumiu a posição de seu mestre. Mais tarde, ele transmitiu o Olho Tesouro do Verdadeiro Darma exatamente como Mahakasyapa fizera no Pico do Abutre. Antes de Nagyaharajuna se converter ao Budismo, ele tinha muitos alunos. Depois de iniciar sua prática do Caminho todos o deixaram. Mais tarde, foi Kanadeva, seu único herdeiro do Darma a quem ele transmitiu o Olho Tesouro do Verdadeiro Darma. Tal transmissão face a face é a tradição do supremo Caminho Budista.

Entretanto, ainda assim homens perversos que se proclamaram herdeiros do Darma de Nagyaharajuna escreveram tratados e comentários, que atribuíram a Nagyaharajuna. Estes trabalhos forjados têm sido responsáveis por confundir e corromper muitas pessoas. O único verdadeiro discípulo de Nagyaharajuna foi Kanadeva; este sozinho transmitiu as palavras do mestre. Realize isto. Mesmo que soubessem que as palavras foram forjadas, ainda assim alguém as recebeu e as transmitiu. Isto é uma verdadeira calúnia à sabedoria Prajna da transmissão de Nagyaharajuna. Podemos apenas sentir pena de tais pessoas.

O honorável Kanadeva, apontando para o corpo manifesto de Nagyaharajuna, anunciou à assembleia: “Esta é a autenticação da Natureza-Buda na forma de Nagyaharajuna. Como eu sei? Porque o samadhi sem forma é como a lua cheia. O princípio da Natureza-Buda é o perfeito vazio, claro e brilhante”.

No meio destas palavras nos milhares de mundos de deuses e homens que ouviram a Lei Budista, Kanadeva sozinho entendeu que a Natureza-Buda estava sendo realizada no corpo manifesto de Nagyaharajuna. Outros pensam apenas que a Natureza-Buda não pode ser vista, ouvida ou reconhecida. Eles não percebem que a realização de um corpo é a Natureza-Buda, desta forma não podem entender esta expressão. Ancestrais não escondem este conhecimento, apenas a maioria das pessoas, com seus olhos e ouvidos fechados, não podem encontrar isto. Falta atenção corpórea, de maneira que são incapazes de entender. Mesmo que vejam e venerem o samadhi sem forma, que é como uma lua cheia, carecem de total entendimento. “O princípio da Natureza-Buda é o perfeito vazio, claro e brilhante”.

 O corpo realizado de Nagyaharajuna clarifica a Natureza-Buda – é claro e brilhante, perfeito vazio. Assim sendo, o corpo que clarifica a Natureza-Buda expressa o corpo de todos os Budas. Não há um Buda que não realiza a Natureza-Buda na forma de Buda. A forma Buda é o corpo realizado. O corpo realizado é Natureza-Buda.

Desta maneira, a forma Buda e a forma Ancestral são realizadas nos quatro elementos e nos cinco agregados (skandhas). Todas as virtudes de Buda estão contidas nesta virtude. A virtude de Buda é completamente formada e realizada em nosso corpo. A ilimitada e inconcebível atividade da virtude é uma parte da realização do corpo. As palavras de Nagyaharajuna e Kanadeva são definitivas na Sabedoria Budista, do tipo que nunca foram ouvidas em nenhum lugar. Quantos eruditos de Sutras e comentários têm se enganado quanto ao Caminho dos Budas e Ancestrais?

Desde a antiga Dinastia Sung, muitos têm tentado retratar esta relação em nosso corpo, mente, no vazio ou em um quadro. Pincelando sua conclusão com nada além de um espelho circular posicionado no assento do Darma – a ideia que têm sobre a forma de lua cheia do corpo manifesto de Nagyaharajuna. Centenas de anos têm passado e ninguém percebeu este engano, apenas se maravilham com o trabalho. Se vermos a redonda lua cheia manifesta no corpo como nada além de um círculo, então pode ser igualmente representada como a pintura de um bolinho de arroz. Extrair prazer de tal compreensão é mais que engraçado.

Ninguém, monge nem leigo, na grande China Sung de fato compreendeu as palavras de Nagyaharajuna ou de Kanadeva; muito menos puderam tocar sua própria forma real. Indiferentes à prática e carentes de direção na busca da Verdade, tampouco puderam entender “redonda”ou “lua cheia” . Budas, passado e presente, conheceram o corpo manifesto. Não perca seu tempo se abobando com  pinturas de bolinhos de arroz.

Uma pintura da realização do corpo na forma de uma lua cheia deve mostrar a forma do corpo manifesto no assento do Darma. Devem haver sobrancelhas e cílios em alto relevo. A pele, carne, ossos e medula do Olho Tesouro do Verdadeiro Darma deve se sentar em um forte, equilibrado assento zazen. Isto é como a transmissão de Xaquiamuni e Kasyapa porque se torna Buda, se torna um Ancestral. Se a pintura da forma da lua não é redonda, não há forma, nem proclamação do Darma, não há som, cor nem função. Desde que o corpo manifesto é uma forma redonda de lua, aqueles que o procuram devem desenhar uma lua circular. Quando desenhar uma lua redonda, desenhe uma lua cheia, a realização da totalidade da lua. As pessoas falham ao desenhar a realização do corpo, a lua redonda, a lua cheia, o corpo dos Budas ou a proclamação do Darma. Apenas produzem pinturas de bolinhos de arroz – inúteis! Pense sobre isto e questione, “Pode alguém realmente aceitar esta situação?”

A lua tem uma forma redonda; a forma redonda é a completa realização do corpo. Quando você considera uma forma circular, não pense em uma pequena moeda ou bolinho de arroz. A forma do corpo é a da lua cheia, o formato é o da lua cheia. Com o correto entendimento de “circular”, mesmo uma moeda ou um bolinho de arroz podem ser estudados.

No outono de 1223, minha peregrinação pela grande China Sung me levou ao Mosteiro Kori no Monte Aikuo. Esta foi minha primeira visita lá. Lembro-me que nas paredes do corredor Oeste do Mosteiro estavam pintadas imagens dos trinta e três Ancestrais da Índia e China. Naquele tempo eu não sabia nada de tais pinturas.

Mais tarde, durante o período de treinamento de verão de 1225, eu visitei este lugar de novo. Conforme eu andava pelo corredor Oeste com o mestre convidado, Sokei de Seishoku, eu o perguntei: “Que tipos de retratos são estes?”. Ele respondeu (parado em frente à imagem de Nagyaharajuna): “Esta é a realização do corpo de Nagyaharajuna na forma de uma lua cheia”. Mas suas palavras eram superficiais; ele parecia incerto. Eu disse “sério, isto se assemelha à pintura de um bolinho de arroz, não é?”. Ele sorriu largamente, mas sua falta de entendimento estava evidente. Ele não tinha alcançado o significado de uma pintura de bolinho de arroz.

Enquanto andávamos juntos para olhar o relicário e os outros pontos do mosteiro, puxei o assunto de novo, mas ele falhou ao ver o problema. Outros monges ofereceram opiniões, mas eles também perderam o ponto. “Vamos perguntar ao abade”, eu disse. O abade naquele tempo era Daiko. O mestre convidado disse “Ele carece de essência, não saberá”. Então eu desisti desta ideia.

Da forma que o mestre convidado falou, vocês pensariam que ele tinha uma grande compreensão, mas ele, como todos os outros, não tinha palavras para oferecer. Todos os antigos abades daquele templo eram indiferentes com a pintura; tampouco tinham dúvidas quanto a isto nem se preocuparam com melhoras.

Uma coisa que não é possível pintar é melhor ser deixada sem pintar; ou se é necessário, que pelo menos seja feito corretamente. O corpo na forma de uma lua circular é uma coisa que não pode ser pintada.

Quando eles falharam em realizar que a Natureza-Buda não é percebida por cognição mental, não puderam ter a esperança de atingir o significado de “Natureza-Buda” e “não-Natureza-Buda”. É raro, de fato, que sequer tenham tenham tentado clarificar estes termos. Verdadeiramente há uma falta de concentração séria no Caminho.

Muitos abades de vários templos Zen tampouco mencionaram “Natureza-Buda”  durante suas vidas inteiras. Alguns dizem “aqueles que estudam o Budismo falam sobre Natureza-Buda, mas aqueles que praticam não”. Estas pessoas são piores que bestas – apenas seres malévolos que corrompem o Caminho dos Budas e Ancestrais. Ambos, estudo e prática (zazen) é o Caminho dos Budas e Tathagthas, não é? Compreenda que em Budismo não há distinção entre estudo e prática.

O professor nacional Saian, da prefeitura de Enkan em Koshu foi um dos principais discípulos de Baso Doitsu. Certa vez ele disse a uma assembleia monástica: “todos os seres vivos possuem Natureza-Buda”.

Considere estas palavras cuidadosamente. O que significa “ser vivo”- o que é um “ser vivo”? Em primeiro lugar, não há um tipo de ser vivo, cada ser se difere de acordo com as circunstância de karma pessoal. Portanto, cada um tem diferentes pontos de vista e percepções. Há não iluminados, não crentes, os três veículos, os cinco veículos, e assim por diante. Em Budismo, um ser vivo (sensciente) é um ser que possui uma mente. Isto é dizer, mente significa ser vivo/ sensciente. No sentido de que mente significa ser vivo, coisas sem mente são seres vivos. Assim sendo, mente é ser vivo. Seres vivos são Natureza-Buda. Grama, árvores e terras são mente; portanto são seres senscientes. Porque são seres vivos são Natureza-Buda. Sol, lua e estrelas são mente; portanto são seres vivos; assim são Natureza-Buda.

As palavras do professor nacional “possuem Natureza-Buda” são como isto. Se não fosse assim não seria Budismo. A afirmação do professor quer dizer apenas “todos os seres vivos possuem Natureza-Buda”. Isto é , não ser vivo – não Natureza-Buda. “Todos os Budas possuem Natureza-Buda?”. Pense sobre isto e pergunte ao professor nacional. Por que é dito que os “seres vivos possuem Natureza-Buda” em vez de “seres vivos iguais a Natureza-Buda”?. Esta questão também exige cuidadosa consideração. Descarte o “possuem” em “possuem Natureza-Buda”. Aqui, “descartar” captura a essência. Isto é dizer a definitiva liberdade. Assim temos “todas as Naturezas-Buda possuem seres vivos”. Nesta verdade auto evidente, ambos “seres vivos” e “Natureza-Buda” são descartados.

Embora as palavras do professor nacional estivessem além de seu nível de compreensão, chegará um tempo em que ele será capaz de compreendê-las.

“Suas palavras estavam além de seu nível de compreensão”- não tome isto como significando que suas palavras não sejam confiáveis, ou sejam uma interpretação errônea da verdade. Ao contrário, mesmo que ele mesmo não entendesse a verdade, ele a personifica. Isto é dizer, ainda há os quatro elementos, cinco agregados, pele, carne ossos e medula da Natureza-Buda. Exatamente desta forma, pode-se levar uma vida inteira para compreender a Verdade e outra vida inteira para expressá-la.

O Mestre Zen Dai’e do Monte Daien disse à assembleia de monges: “Todos os seres vivos não possuem Natureza-Buda”. Entre os seres humanos e deuses que ouviram isto, alguns se regozijaram, outros ficaram confusos. Xaquiamuni Buda ensinou “Todos os seres vivos possuem Natureza-Buda” e ainda assim Dai’e disse “todos os seres vivos não possuem Natureza-Buda”.

“Possuir” e “não possuir” são totalmente diferentes; “qual é o correto?”, muitos devem se perguntar. “Seres vivos não possuem Natureza-Buda” é entretanto derradeiro no Caminho Budista. A razão argumentaria que “possuem Natureza-Buda” de Enkan está de acordo com Xaquiamuni, mas se opõe a Dai’e, no entanto as palavras do segundo e do anterior não são, em essência, diferentes. Enkan foi a primeira geração de discípulos de Baso e Dai’e a segunda. Neste caso a segunda geração supera a primeira e até o próprio Velho Mestre Baso.

Todos os seres vivos não possuem Natureza-Buda” de Dai’e é a verdade última.  É o universo sem limites. Pergunte a si mesmo, “Como podem os seres vivos ter Natureza-Buda?”. Se seres vivos tivessem a Natureza-Buda, seriam classificados como demônios: um demônio na forma de um ser vivo. Natureza-Buda é Natureza-Buda e seres vivos são seres vivos. Realize que seres vivos desde o princípio não têm Natureza-Buda; não estão dotados de Natureza-Buda.

“Chang bebe e Li se embriaga”- não é como isto. Um ser vivo que originalmente tem Natureza Buda não é um ser vivo. Desde que há seres vivos, então não há Natureza-Buda.

Disto, as palavras de Hyakujo: “se ensinarmos que seres vivos possuem Natureza-Buda, profanamos Buda, Darma e Sanga. Se ensinamos que seres vivos não possuem a Natureza-Buda, profanamos Buda, Darma e Sanga” . Mesmo que ambos, “possuem Natureza-Buda”e “não possuem Natureza-Buda” profanem os Três Tesouros, não podemos nos calar quanto à questão. Pergunte a Dai’e e Hyakujo: “vocês dois ensinaram sobre a Natureza-Buda não é? Isto não foi profano? Considerando que tenham ensinado, tal palestra não confunde mais que clarifica? Ensinar e aprender são complementares, devem acontecer em conjunto”. Se dirigindo a Dai’e: “você disse ‘todos os seres vivos não têm Natureza-Buda’ , mas você não disse que toda Natureza-Buda não tem seres vivos, ou toda Natureza-Buda não tem Natureza-Buda, muito menos pôde realizar, ou até mesmo sonhar, que todos os Budas não têm Natureza-Buda. O que você tem a dizer sobre isto?”

Certa vez o Mestre Zen Daichi do Monte Hyakujo disse a uma assembleia: “Buda é o veículo mais elevado, a Sabedoria Suprema e aquele que está além do Caminho Budista. Ele é o Buda possuindo a Natureza-Buda, o que se move no mundo do não apego, aquele que tem conhecimento ilimitado. Utiliza causação e livremente usando conhecimento benevolente, controla causa e efeito. Se dispõe à vida, mas não é limitado pela vida. Se dispõe à morte, mas não é obstruído pela morte. É feito dos cinco skandhas, mas não é restrito por eles. Ficar, ir, penetrar e partir são livremente realizados à sua vontade. Superior e inferior, alto e baixo não têm significado. Tudo possui tais características, até a menor das formigas. Portanto vivemos em um mundo que é inimaginavelmente maravilhoso e puro”

 Estas são palavras de Hyakujo. Os cinco skandhas são nosso corpo imutável. Os agregados não obstruem o portal aberto. Utilizar a vida, não se agarrar à vida. Utilizar a morte, não sendo impedido pela morte. Não amar a vida e temer a morte; elas estão no reino da Natureza-Buda. Apego à vida e medo da morte não é Budismo. Vida e morte são apenas resultados de causação. Quando sabemos disto não somos mais impedidos nem ficamos confusos. Este é o mais elevado veículo Buda. Onde há este Buda, há uma terra maravilhosa e pura.

Obaku estava sentado na sala de chá de Nansen. Nansen disse: “se paraticarmos igualmente samadhi e prajna, veremos a Natureza-Buda. Qual a sua compreensão sobre isto?”. Obaku respondeu “obtemos entendimento essencial estando desapegados em todos os momentos”. Nansen respondeu “você realizou isto por si mesmo, não é?”. Obaku disse “Oh, não, na verdade não”. Nansen falou “dinheiro para água pode ser esquecido, mas quem pode devolver o dinheiro usado para as sandálias de palha?”

Praticar igualmente samadhi e prajna”. Não interprete isto como se a Natureza-Buda fosse claramente vista quando a prática de um não obstrui a prática de outro. Ao invés, entenda que quando a Natureza-Buda claramente é vista, samadhi e prajna são praticados igualmente. Nansen disse “qual a sua compreensão sobre isto?” Em outras palavras, “Quem é este que está vendo claramente a Natureza-Buda?”. Todas as expressões neste diálogo são dizeres do Caminho.

As palavras de Obaku “obtemos entendimento essencial quando estamos desapegados em todos os momentos”  querem dizer: “Em todos os momentos, não há agarrar-se a nada. Não se agarrar a nada acontece em todos os momentos”. Desta forma vemos claramente a Natureza-Buda. Assim como em “momentos”. Quando não há “momento”? Em qual terra isto não existe? Pense sobre “momento”. Isto significa momento como nós conhecemos, momento em algum outro mundo ou momento na Radiante Terra Pura? Em qualquer um deles, o ponto é “não estar apegado a coisa alguma”. Esta é uma verdade fundamental; não varia com as circunstâncias.

Você realizou isto por si mesmo, não é?” Isto é:  “ esta é sua própria expressão, seu próprio entendimento não é?” Não interprete isto como se a compreensão se limitasse a Obaku. Obaku foi o veículo pelo qual as palavras surgiram, mas a essência desta sentença é uma verdade universal.

Obaku disse: “Oh não, na verdade não”. Na China Sung esta era uma resposta mais ou menos padrão a perguntas relacionadas com a habilidade particular de cada um. Mesmo que houvesse habilidade em perguntar, a resposta geralmente era esta. Entretanto, não tome isto em seu significado superficial: o sentido completo transcende as próprias palavras. Obaku tem seu ponto de vista e modelo de compreensão de um mestre zen, ainda assim ele diz “Oh não, na verdade não”. Quando um búfalo surge, diz “mu”. As duas expressões não são diferentes: o espírito subjacente é o mesmo. Nossas palavras deveriam ser desta forma.

Nansen disse: “dinheiro para água pode ser esquecido, mas quem pode devolver o dinheiro usado para sandálias de palha?”

Isto é, dinheiro para água – o nível de iluminação de Obaku – pode ser esquecido, mas o preço das sandálias de palha – o valor da prática – não pode ser ressarcido. Busque clarificar isto através da vida. Vamos olhar independentemente para a questão: “dinheiro para água pode ser esquecido” . Pense sobre isto. Por que ele está preocupado com “dinheiro para água”?

Quem pode devolver o dinheiro usado para sandálias de palha?”’, É como se dissesse que durante seu período de peregrinação ele calçou muitas sandálias de palha. Portanto elee deveria dizer “se o dinheiro das sandálias não pode ser devolvido, elas não deveriam ser usadas” ou então “ dois ou três pares”. Esta é a expressão correta – contém  a essência

Obaku não respondeu. Isto não quer dizer que sua resposta foi negada ou vice versa. Com verdadeiros praticantes zen isto não poderia acontecer. No silêncio há um significado real, atrás do sorriso uma espada. É este o significado de ver a Natureza-Buda na prática diária.

Quanto a este diálogo, Isan disse a Gyozan: “Obaku não pegou Nansen, pegou?” Gyozan respondeu “Nem tanto, Obaku tinha a habilidade de pegar tigres”. Isan respondeu “Nada falta à sua visão. Obaku tinha a habilidade de pegar tigres” . Com tal habilidade ele era capaz de domesticar tigres. Capturar e domesticar, se movendo entre estranhos e amigos – expressões diferentes para a mesma coisa.

Claramente ver a Natureza-Buda – nossos olhos estão abertos. A Natureza Buda claramente vendo – nossos olhos se perderam. Fale rápido, agora, já! Nada falta à visão Buda. Desta forma nenhuma coisa, tampouco metade de coisa alguma está separado. Assim é dito “uma cesta de vime por todo o dia”. Dependente ou independente, as vinhas inevitavelmente se entrelaçam – todos os céus em todos os lugares se reúnem ; depois disso não existem palavras.

Um monge perguntou ao Mestre Joshu: “um cachorro tem Natureza-Buda?”

Considere isto com muito cuidado. O ponto não é se o cão tem ou não tem Natureza-Buda. Reformulada, a pergunta seria: “considerando que a Natureza-Buda existe em um cachorro – alguma coisa que não conhece prática – por que então é necessária a prática?”

Joshu pode ter se ressentido com esta pergunta, mas pode ter encontrado o tipo de discípulo que esteve buscando nos últimos trinta anos.

Joshu disse “Mu”.

“Mu”é o caminho para a prática. O mesmo mu de Mu-Natureza-Buda, do cão, do observador são como este mu. Logo este Mu é plenamente poderoso, capaz de derreter rochas.

O monge perguntou “todos os seres têm Natureza-Buda, por que o cachorro não”?

A explicação para isto é “Se não há seres, não há Natureza-Buda tampouco pode haver cachorro”. Essencialmente significa “o que”. Que necessidade há de classifica-los Mu?

Joshu disse “o cachorro é condicionado por carma”.  Isto quer dizer que ele é carma. Há carma portanto há cachorro – não cão, não Natureza-Buda.  Carma não se encontra com o cão, como pode o cão encontrar Natureza-Buda? Tais funções são todas definidas por carma.

Outro monge perguntou a Joshu: “O cachorro tem Natureza-Buda ou não?”.

Claramente este monge estava familiar com o pensamento de Joshu. Questões sobre a Natureza-Buda são as ocorrências diárias de comer arroz e tomar chá dos Budas e Ancestrais.

Joshu disse: “Tem”.

Aqui, este “tem” não é a existência [u] dos comentaristas da escola Sarvastivada.  Deve ser compreendido no contexto do Budismo. Buda“tem” é  Joshu “tem”. É o mesmo que o cachorro “tem”, que por sua vez é idêntico a Natureza-Buda “tem”.

Um monge perguntou: “Considerando que tem Natureza-Buda, qual o propósito do corpo físico?”

O que significa “ter”? É no passado, presente, ou já tido? Embora “ter” parece estar relacionado com todas as outras formas de existência, este “tem”sozinho brilha resplandecentemente. “Ter” é alguma coisa que pode ser posta em algum lugar ou não? A prática de tenta-lo colocar em algum lugar não é inteiramente correta, mas também não é de todo inútil.

Joshu disse, “intencional e deliberadamente transgrediu”

As palavras são comuns e largamente usadas, mas tomam especial significação no uso de Joshu do Caminho. O significado de “intencionalmente transgrediu” é desconhecido por muitos. A palavra “colocar” é difícil de ser compreendida aqui, e de fato não é necessária. Há um dizer, “se quiser conhecer seu companheiro eterno nesta situação, quem quer que seja não está separado de seu saco de peles”. “Intencionalmente transgredir” não é igual a “se coloque” em um saco de peles e vice-versa. “Intencional” é deliberadamente transgredir. Saiba que “transgredir deliberadamente” está encoberto nas atividades diárias do corpo liberto. É este o significado de “se coloque”. Quando o corpo emancipado da prática devidamente se encobre, o eu e os outros são verdadeiramente escondidos. Portanto, não diga que ainda está confinado na ignorância. E há mais: o Ancestral Ummon disse, “ ao aprender tudo sobre o Buda Darma, você fica confuso”. Em metade do caminho de tais estudos há um longo período de confusão e erros. Dias e meses não terminam em nada mais que repetidos fracassos em tentar puxar alguma coisa para dentro da pele do cachorro. “Intencional e deliberadamente transgrediu”  é “tem Natureza-Buda”.

Em um discurso dado pelo Oficiante Chosa Keishin, o praticante leigo Chiku Shosho disse: “uma minhoca cortada ao meio continua a se mover em ambas as partes. Qual parte contém a Natureza-Buda?”

Chosa disse: “Não se iluda” . “Mas como explicar o movimento?” insistiu Shosho. “Os elementos ainda não se dispersaram”, respondeu Chosa.

“Uma minhoca cortada ao meio” implica que originalmente havia uma minhoca; esta é a compreensão de Shosho. A vida diária de Budas e Ancestrais não é assim. Originalmente a minhoca não era “uma” parte, não era divisível em duas. Pense profundamente sobre um e dois.

“Ambas as partes se movem” também implica que antes de ser cortada a minhoca era uma. Isto significa que esta uma parte transcendeu o estado Buda? Shosho fala de “duas partes”, mas não aceite isto cegamente. É verdadeiro dizer que ambas as partes eram originalmente uma, mas há apenas a uma total-existência. Este “mover” de “ambas as partes se movem” é  simultaneamente a ação de samadhi e de sabedoria.

Em vez de “qual parte contém a Natureza-Buda”, é melhor que se diga “A Natrueza-Buda cortada ao meio. Qual parte contém a minhoca?”

Considere com muito cuidado.

“Ambas as partes se movem” pode significar uma das duas coisas:

por que há movimento não há Natureza-Buda

ou porque há movimento há Natureza-Buda

Em qual movimento a Natureza-Buda está?

Chosa respondeu “Não se iluda!”. Pense sobre isto: ele está dizendo para não se iludir quanto as ambas partes que se movem ou não há ilusão na Natureza-Buda” ou está apenas dizendo “Não há ilusão em lugar algum – independentemente da Natureza-Buda ou das duas partes”

“Como explicar o movimento”- entendemos que porque há movimento há duas Naturezas-Buda ou porque há movimento não há Natureza-Buda?

“Os elementos ainda não se dispersaram” – isto é, a Natureza-Buda surgiu. Devemos dizer que Natureza-Buda é o movimento? Ou devemos dizer que é fogo e vento? Realize que a Natureza-Buda e que o fogo e o vento não podem surgir juntos nem independentemente, tampouco há fogo e vento em Natureza-Buda. Portanto, Chosa sequer disse se a minhoca tinha ou não tinha Natureza-Buda. Ele apenas falou “Não se iluda!”

Por “não se iludir” e “os elementos não se dispersaram”,  as palavras de Chosa elucidam a função da Natureza-Buda. As palavras “os elementos ainda não se dispersaram” merecem especial consideração, clarifique-as em silêncio.

Qual o princípio em “não se dispersar”? Significa que há uma fusão de fogo e vento que ainda não se espalhou? É claro que não. Fogo e vento não terem dispersado significa Buda proclamando o Darma. Pense de outra maneira: no momento exato, Buda proclama o Darma em um som; um som proclamando o Darma é o exato momento. O Darma é um som, este é o um som do Darma.

Que a Natureza-Buda existe em vida mas não em morte é uma crença sustentada apenas por aqueles da mais superficial compreensão. Natureza-Buda e não-Natureza-Buda existem ambas na vida e na morte. Em dispersar e não dispersar há tanto Natureza-Buda quando não-Natureza-Buda. Se acreditarmos que a Natureza-Buda é um acaso de movimento ou não-movimento, existência ou não-existência, consciência ou não-consciência, poder divino ou não-poder divino, conhecimento ou não-conhecimento ou natureza ou não-natureza seremos verdadeiramente não Budistas.

Por infinitos kalpas passados, pessoas tolas têm acreditado ser a divina consciência humana a Natureza-Buda – têm tomado isto como a “pessoa original” – que absurdo engraçado! Não tente definir a Natureza-Buda, isto só confunde. Ao invés disto, pense sobre isto como uma parede, um tijolo ou uma – mas melhor ainda, se puder, apenas aceite que a Natureza-Buda é inconcebível à mente racional. Se expressando sobre ela, só se pode dizer “O que é a Natureza-Buda?”. Completamente compreende? Três cabeças! Oito braços!

Isto foi escrito e entregue à assembleia de monges em Kannondori, Koshohorinji em Outubro de 1241. Foi recopiado por Ejo em 19 de janeiro de 1243.

 

Tradução de Daiko Krauss em Abril de 2013