Monja Coen Roshi

A Grande Sabedoria Perfeita

Texto da Monja Coen publicado no jornal O Globo de 08/01/2014

Chegou o tempo de todos nos comprometermos com a construção de uma cultura de paz e harmonia

Durante os primeiros dias do ano novo e mesmo durante todos os dois primeiros meses do novo ano, nos templos da minha ordem, Soto Shu, realizamos uma cerimônia chamada Dai Hannya, que significa Grande Sabedoria.

Invocamos a Grande Sabedoria, aquela capaz de fazer a rendição completa de todos os grandes demônios.

Leia mais...

Dezembro

Texto da Monja Coen publicado no jornal O Globo de 11/12/2014

É preciso usar a energia deste mês para cuidar e exigir cuidado, com ternura. Só assim as festas serão, de fato, boas

Há um clima de festa e de animação.

Há um clima de fim de ano.

Há um clima de estresse e confusão.

O último mês do ano parece mexer com todos nós. Muita gente nas ruas, trânsito pesado, compras, 13º salário, helicópteros sobrevoam as grandes cidades.

Leia mais...

Comunhão espiritual

Texto da Monja Coen publicado no jornal O Globo de 13/11/2014

É preciso abrir os portais de percepção e trabalhar pelo bem de um Eu maior

Os textos dos ensinamentos antigos de Buda dizem que para conhecermos nossa natureza verdadeira é necessário que mantenhamos uma comunhão espiritual com todos os Budas.

Leia mais...

Respeito e Compaixão

Texto da Monja Coen publicado no jornal O Globo de 16/10/2014

Se ainda temos de apontar para alguns grupos que devem ser incluídos, é porque estamos distantes de um coração bondoso

Respeito e Compaixão pelos homossexuais. Respeito e Compaixão pelas mulheres. Respeito e Compaixão pelos idosos. Respeito e Compaixão pelas crianças.

Respeito e Compaixão pelos seres humanos.

Respeito e Compaixão pela vida na Terra.

Respeitar é mais do que tolerar.

Compaixão é identificação e cuidado terno.

Leia mais...

Travessia de primavera

Texto da Monja Coen publicado no jornal O Globo de 18/09/2014

As eleições também se dão em casa, onde ficamos nos exibindo para ganhar os corações daqueles com quem nos relacionamos

Equinócio de equidade. Dia e noite com a mesma duração. Equidade mental — os opostos têm o mesmo valor.

Eleições na primavera — opositores se equivalem? Travessia de ir e vir, de atravessar sem que uma pessoa atravesse o caminho da outra ou mostre o avesso, o revés.

Eleições de avessos que se avessam.

Como ainda estamos distante de um ideal civilizatório de equidade e respeito!

Leia mais...

O caminho da arte marcial

Texto publicado na revista Bushido Brasil

Sem o controle da mente não é possível controlar o corpo. Sem conhecer a mente não é possível conhecer o corpo. Corpo e mente devem ser observados e treinados com a mesma intensidade. Os movimentos dependem de comandos mentais. As emoções podem provocar comandos imprecisos. Ter boa técnica, apenas, não é suficiente.

Leia mais...

Você tem medo de morrer?

Texto da Monja Coen publicado no jornal O Globo de 21/08/2014

A tragédia de Eduardo Campos nos lembrou que a morte nos espera a todos um dia. Como lidar com ela?

O que é a morte? O que é morrer? Almas, espíritos, energias, consciências?

Há vida depois da morte?

Há vida durante a morte?

Há vida antes da morte?

Há morte antes da vida?

Há vida durante a vida?

Há morte durante a morte?

Há morte antes da morte?

Leia mais...

De cabeça para baixo

Texto da Monja Coen publicado no jornal O Globo de 24/07/2014

Quando o mundo está ao contrário, é hora de buscar a sabedoria que cura, a compaixão que acalenta e a alegria do compartilhar

Ninguém gosta de ficar pendurado de cabeça para baixo. É o símbolo do sofrimento, da dor, do desconforto. Você está de cabeça para baixo?

Esses dias me telefonou um grande amigo de muitos anos.

— Você está bem? — perguntei, e ele me respondeu:

— Não! Estou de cabeça para baixo.

Leia mais...

Copa do Mundo

Publicado no jornal O Globo de 26/06/2104

Entre vaias e aplausos os jogadores seguem suas vidas. Alguns dão mordidas, outros, empurrões, enfiam as chuteiras nas pernas alheias

Os melhores jogadores de futebol do mundo atual correm, saltam, controlam a bola e se descontrolam algumas vezes. O herói faz gestos impacientes e perde partidas, perde fãs, perde o sorriso, a pose de campeão. São homens de todas as partes da Terra. Olhos puxados e olhos redondos. Narizes largos e finos, pequenos, grandes, aduncos, retos, arrebitados. Cores de pele, de todas as cores as peles dos homens correndo na grama.

Já não mais se estranham. São profissionais. Representam países, populações. Representam etnias, filosofias, culturas, religiões. No campo, são jogadores profissionais. Respeitam-se e se desrespeitam. Entre vaias e aplausos seguem suas vidas. Alguns dão mordidas, outros, empurrões, enfiam as chuteiras nas pernas alheias.

Leia mais...

Copa do Mundo Zen

Copa do Mundo Zen

Estádios lotados, coloridos, animados.
Jogadores de uniformes colados.
Corpos atletas músculos desenhados
Rolam e se levantam
Tombam e sorriem
Trombam e se machucam
Continuam correndo

Leia mais...